o frio chegou meu nome é um

ajuntamento de assuntos

mútuos e escreve — se nos

vultos enroscados

rabo de baleia devora
serenos quando o som

de trompete explode:

imensidão

ouço rabiscos arranhar

o silêncio migrador

migrando tempestades em

bocas soltas a cair das caras

tu já mastigou grama com

lavanda alecrim emoldura?

meus olhos

de sorver os teus de água

com a sede de planta que

orvalha e fiapa o opaco

ruído ruína granulado grunhido

salpico ventura como

quem espirra a liquídez

da chuva para que o azul

escorregue em nós mais devagar